Uma História Para Sofia – Aquilo e as estrelas

Esta história começa como muitas outras. Com uma criança, chamada Sofia, olhando para o céu e observando as estrelas. Só que tem um problema. A cidade onde a criança mora não tem estrelas. Há mais ou menos uns dez anos, todo mundo que morava ali perdeu a habilidade de enxergar os pequenos pontos iluminados. Eles até trouxeram cientistas e pesquisadores de outras cidades para investigar o caso. Contudo, como ninguém se machucou e, no fim das contas, ver ou não estrelas não mudava a vida das pessoas, todo mundo voltou à sua rotina, trabalhando, estudando e, depois de alguns meses ninguém nem falava mais no assunto. Continuar lendo

O bolo dos tolos

“A economia vai bem, mas o povo vai mal.” Foram as palavras do General Emílio Garrastazu Médici, então presidente brasileiro, com relação ao avanço da economia no Brasil. O crescimento realmente existiu, mas às custas de recursos que exploravam a população como, por exemplo, o arrocho salarial. Este, reduzia o poder de compra da classe trabalhadora. Medidas como o AI-5 impediam que houvesse oposição da imprensa e dos próprios empregados. Continuar lendo

Uma história para Sofia – NÖEL16

Uma mão com luvas brancas usa um cartão magnético para abrir a porta. A passos lentos, ele caminha com seu saco de tecido vermelho como o de suas roupas. Sua pele sofreu sérias queimaduras, causadas pelo Sol escaldante dos países tropicais, e também pela neve de lugares como Sibéria, Alasca e Groenlândia. Todavia, ele não podia reclamar. Seu trabalho estava cumprido naquele ano e ele teria duas semanas de férias para iniciar o planejamento, avaliação de crianças e produção de presentes para o próximo ano. Era uma missão bastante árdua, de fato. E cabia àquele senhor relativamente acima do peso cumpri-la.

Entretanto, não era hora para isso. Ele se despiu e mergulhou em uma banheira de hidromassagem com água nem fria nem quente demais. Respirou fundo e sentiu como se o peso do cansaço fosse retirado com as mãos de sua cabeça. Ficou ali até cair no sono. Continuar lendo

Uma partida para a eternidade

Ouço um ruído agudo e contínuo cada vez mais baixo.

x . x . x

Do breu, uma lâmpada foi acesa. Daquelas antigas, de tungstênio, penduradas pelo fio no teto. A mão que iluminou tudo era coberta por pelos brancos. Na verdade, não sei se era uma mão ou uma pata.

Acompanho o movimento do membro peludo e vejo um coelho humanoide. Ele pegou as cartas que estavam à sua frente, observou-as e jogou duas fichas vermelhas sobre a mesa.

Ao lado do coelho, Frida Kahlo franze as sobrancelhas e, apesar de ter um monte proeminente de fichas, dessa vez passou. Ela joga as cartas à mesa, ajeita sua tiara com flores recém-colhidas e olha para mim, como se esperasse que fizesse algo. Continuar lendo

Grandes profissionais na redação e a saúde financeira do jornalismo

Tive a oportunidade de estudar jornalismo em um tempo de mudança. O mercado estava se fechando. E a gente tinha a missão de tentar prever o que iria acontecer dali pra frente.

Algumas coisas eram claras desde então:

  • as empresas de comunicação, deficitárias, precisavam cortar gastos. “Sugerir” uma equipe com conhecimento mais diversificado das mídias era uma alternativa.
  • por outro lado, profissionais com décadas de experiência se viram obrigados a produzir conteúdo para uma mídia totalmente diferente.

Essa visão não é exclusiva do Brasil. Tornar redações mais enxutas é uma tendência mundial. Continuar lendo

Sorvetes de flocos com raspas de chocolate

Na madrugada, uma luz azulada ilumina a sala de Nathan. Seu ronco desordenado e recorrente apneia angustiariam qualquer uma que dormisse a seu lado. Infelizmente (ou felizmente, para elas) nenhuma o faz há alguns anos.

A organização do seu habitat assegura que o status quo será mantido por mais algum tempo. Pouparei você dos detalhes inconvenientes, como o óleo de fritura que, há mais de dois anos, acumula fungos no forno. Enfim, o apartamento onde Nathan reside é desagradável o suficiente para fazer vomitarem a Barata de Kafka e a Mosca de Cronenberg. Continuar lendo

Maiores bilheterias: o que leva o público às salas de cinema?

O universo do cinema tem muitas peculiaridades. Enquanto produtores independentes cortam despesas e economizam ao máximo, os responsáveis pelos grandes estúdios estão contando moedinhas e arrecadando bilhões de dólares com suas megaproduções. Aí você se pergunta: o que as cinco maiores bilheterias do cinema têm de especial? Vamos analisar? Continuar lendo